09/06/2008

14:O VíCIO por jPanda e jPinto


Bom dia Exmos. Doutores,
O assunto que me leva a emitir este pedido de ajuda / esclarecimento é simples e resume-se ao seguinte:
Chamo-me Mário Dias, tenho 38 anos e vivo em Monção (Minho).
Há cerca de 2 / 3 meses (por aí) fui a Lisboa ao quartel do Carmo ver um amigo de infância. Não sei se foi da chuva ou do frio ou da poluição ou do que foi, apanhei-me com 38º de febre e dores de garganta. O meu amigo Tinoco aconselhou-me a ir a uma farmácia o quanto antes. Como estávamos perto da "casa" de Vexas, dirigi-me então aí e falei com a Drª, a qual me deu 3 (fui eu que quis 3, que não se brinca com maleitas, há que atacar forte) caixas de "Hidrotricine"- pastilhas para chupar até derreterem na boca, para me tirarem as dores de garganta.
A Drª também me disse para ir ao hospital, no caso de não ter melhoras rápidas.
Mal saí da vossa farmácia chupei logo uma pastilha e fui deitar-me no sofá enrolado em cobertores. E, de hora em hora, ia derretendo outra pastilha...
No dia seguinte já não sentia dores na garganta. E também não tinha febre. Apanhei o comboio e regressei à minha terra natal. Já em Monção, continuei a chupar as ditas pastilhas por mais 5 dias, porque queria ficar bem a 100% mesmo. Ora, passada uma semana, o que é que me acontece? Bem: começo a ficar como que viciado nas ditas pastilhas... Não passam 3 horas sem que tome mais uma... e depois outra...e outra... Quando quero parar, porque já não tinha sintomas nenhuns de estar doente, não consigo: fico ansioso. E até hoje que estou assim: neste problema! Como é que hei-de dizer?... Eu adoro as pastilhas "Hidrotricine"... É mais forte que eu! Há uma semana atrás, fui falar no assunto a um médico aqui da terra, e ele mostrou-se espantado. Disse-me para deitar as caixas das pastilhas fora, e para estar tranquilo, que isto passava. Mas:
1º- Eu não consigo estar tranquilo;
2º- Eu vou compulsivamente à farmácia comprar mais caixas (minto, e digo que me dói a garganta...);
e 3º- Isto não passa!
Queria explicações para o meu caso, ajudas e conselhos, bem como as causas de tal viciação.
Aguardo resposta breve,
Cumprimentos saudosos,
Mário A. Dias

Caro Sr. Mário Dias,
A sua dependência da Hidrotricine é uma situação inédita para mim. No entanto há situações muito particulares de dependência que normalmente não são passíveis de serem explicadas, chamadas idiossincrasias, isto é específicas de um só indivíduo.
Penso que com um pequeno esforço, consegue libertar-se desta situação, caso contrário aconselho-o a recorrer a ajuda psiquiátrica.
O produto contém um antibiótico e o seu uso excessivo pode causar resistência dos microrganismos a esse ou outros antibióticos.
Ao seu dispor para quaisquer informações adicionais.
Com os meus cumprimentos,
João A. R.
Director Técnico e Proprietário da FARMÁCIA CENTRAL

Exmo. Sr. João A.,
penso estar muito melhor da minha dependência, de facto a vida é bela demais para nos andarmos a "drogar" com pastilhas para a garganta.
Fui ontem à consulta de psiquiatria que me aconselhou e ele usou comigo a denominada "terapia de choque":
Visualizamos imagens de toxicodependentes, chocante no mínimo...
Conheci 3 histórias verídicas, de dois homens e uma mulher que arruinaram suas vidas por causa de dependências e ainda chamou ao consultório um primo dele que conseguiu deixar a droga, mas que perdeu a mulher por causa da mesma.
Achei um bocado exagerado, mas a verdade é que resultou o seu conselho.
O problema foi à saída...num pequeno cesto estavam uns rebuçados e provei um "Dr. Bayard"... que maravilha que são...já não passo sem eles e desde ontem já comprei e comi 4 sacos cheios deles.
Penso que me ajudaram a esquecer todo o sofrimento que as pastilhas me estavam a causar.
Dói-me um pouco a barriga, mas pelo menos estou orgulhoso de ter vencido a luta contra a droga que comprei na sua farmácia pelo que se o Sr. Farmacêutico pretender pode dizer aos seus clientes que para evitar o vicio da Hidrotricide, Dr Bayard é a solução.
Cumprimentos,
Mário Dias

3 comentários: